• 06.09
  • 2017
  • 10:07
  • -

Liberdade de expressão

Prefeito de São Paulo volta a atacar a imprensa

Atualização: em 6.set.2017, a prefeitura encaminhou resposta à Abraji, publicada às 18h15.


O prefeito João Dória, do PSDB, voltou a atacar a reportagem da rádio CBN nesta segunda-feira (4.set.2017). O político tenta desqualificar o trabalho da repórter Camila Olivo, que em 19.jul.2017 noticiou que moradores de rua da Praça da Sé haviam sido acordados por jatos de água de caminhões da prefeitura.

A prefeitura sustentou que imagens de câmeras da região desmentiam a repórter. A equipe da CBN conseguiu os vídeos via Lei de Acesso à Informação, mas eles não mostram o local do incidente. Ao repercutir o assunto com Dória em 4.set.2017, o repórter Pedro Durán foi hostilizado.

O prefeito questionou a experiência do repórter. Depois, referindo-se a Camila Olivo, afirmou que o procedimento esperado de uma jornalista durante a cobertura teria sido filmar os jatos d’água. Para Dória, a ausência de vídeos de celular seria prova de que a profissional mentia. Por fim, o político atacou a isenção de Camila Olivo, informando um suposto passado partidário que inabilitaria a jornalista para a cobertura.

Não é a primeira vez que Dória ataca a imprensa em lugar de responder aos questionamentos de reportagens. Em vídeo de 7.jul.2017, o prefeito desqualificou o trabalho de apuração do jornalista Artur Rodrigues, da Folha de S.Paulo, autor da manchete “Doações empacam, e somente 8% do valor prometido por Doria é efetivado”. Antes, em 9.jun.2017, atacou a reportagem da CBN que alertava para a doação à prefeitura de medicamentos próximos de vencer. Em vídeo, Dória negou que estivesse distribuindo medicamentos vencidos - algo que a reportagem não afirma em nenhum momento.

Ao desqualificar o jornalismo em vez de responder aos questionamentos da imprensa, Dória nega à sociedade o direito intrinsecamente democrático de vigiar os atos dos administradores.

Para além disso, suas respostas são usadas por grupos com larga audiência na internet para desacreditar o trabalho da imprensa. É direito de todo cidadão contestar e criticar reportagens, assim como é dever da imprensa e dos jornalistas ouvir e publicar as críticas. Isso, entretanto, não justifica tentativas de intimidação virtual que podem se transformar em agressões verbais e físicas.

Diretoria da Abraji, 6 de setembro de 2017

Assinatura Abraji