Jornalistas são ameaçados após veiculação de reportagens
  • 08.04
  • 2019
  • 14:42
  • Abraji

Liberdade de expressão

Jornalistas são ameaçados após veiculação de reportagens

Na noite do último domingo (7.abr.2019), o repórter Carlos de Lannoy (TV Globo) recebeu uma ameaça em sua conta no Instagram, logo após a exibição, no Fantástico, de sua reportagem sobre ação em que o Exército no Rio de Janeiro alvejou com mais de 80 tiros o carro de uma família, matando o pai.

Um homem identificado como Erik Procopio comentou em uma das fotos do jornalista: "Se vc escolher falar merda e defender bandido; é escolha sua! Seu merda! Se for errado paga com a vida! Mexeu com o exército, assinou sua sentença! Sua família vai pagar! Aguarde cartas!"

É o segundo caso de ameaça à vida de um jornalista via redes sociais que a Abraji registra em quatro dias. Em 4.abr.2019, a repórter Juliana Dal Piva (Época) recebeu a mensagem "Você vai morrer" de um perfil usando pseudônimo, por causa de sua reportagem a respeito de um filme a favor da ditadura militar instaurada em 1964.

A Abraji se solidariza com Carlos de Lannoy e Juliana Dal Piva. Ameaças a jornalistas por causa do exercício de sua atividade profissional são inaceitáveis. O ambiente generalizado de agressividade contra o jornalismo - concretizado em violências contra comunicadores - é prejudicial à democracia e não pode ser tolerado.

Em casos como estes, a Abraji recomenda denunciar as ameaças e outras violações às plataformas em que acontecem, além de acionar as autoridades judiciais (polícias e Ministério Público), a exemplo do que ambos os jornalistas fizeram.

Diretoria da Abraji, 8 de abril de 2019.

Assinatura Abraji