Jornalistas latino-americanos foram atacados pelo menos 87 vezes desde o início da pandemia na região
  • 15.05
  • 2020
  • 17:00
  • Abraji

Liberdade de expressão

Jornalistas latino-americanos foram atacados pelo menos 87 vezes desde o início da pandemia na região

A liberdade de imprensa foi violada pelo menos 87 vezes entre 1.mar.2020 e 21.abr.2020 na América Latina. O Brasil registrou 24 violações ao princípio constitucional neste período, sendo 13 agressões e ataques a profissionais da imprensa, 9 discursos estigmatizantes e 2 assédios virtuais.

O levantamento foi feito pela rede latino-americana Voces del Sur, que a Abraji integra, e apresenta dados de 8 dos 21 países da região. Os indicadores de monitoramento se baseiam nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU).

A Abraji foi responsável por enviar as informações sobre o Brasil. Com as 24 violações contabilizadas, o país ocupa o segundo lugar no número de casos entre as nações que participaram do levantamento, ficando atrás apenas da Venezuela, que soma 36 episódios de violações à liberdade de imprensa.

Os 13 casos de ataques e agressões a jornalistas no Brasil ocorreram em 10 cidades do país, e todos foram feitos por pessoas e grupos que apoiam publicamente o presidente da República, Jair Bolsonaro. Entre os 9 discursos estigmatizantes, 8 foram proferidos pelo presidente, e 1 pelo ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta. Já os assédios virtuais foram feitos pelo pastor Silas Malafaia, durante live; e pelo deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), por meio de vídeo compartilhado no Twitter.

Na sequência de Venezuela e Brasil, estão: Equador (17), Honduras (16), Peru (5) e Nicarágua (4). Bolívia e Guatemala também participaram do monitoramento. Enquanto o país andino solicita apoio do governo transitório para evitar a falência iminente das empresas jornalísticas; a população guatemalteca vive sob a postura hostil do presidente Alejandro Giammattei com a imprensa.

A Abraji também contribui para a tradução do material para o português. Para acessar o levantamento completo, acesse aqui. A versão em espanhol está disponível aqui.

Assinatura Abraji