• 09.05
  • 2005
  • 12:34
  • Thiago

Dobra cocaína apreendida pela PF em 2005

Números divulgados pela Agência de Notícias da Polícia Federal revelam que foram apreendidos no primeiro trimestre do ano 1.051 quilos de cocaína. As informações estão no banco de dados sobre o crime organizado montado pela Abraji e o volume é quase o dobro da quantidade apreendida entre janeiro e março de 2004, quando as prisões em flagrante de pessoas investigadas por tráfico somaram 576 quilos da droga. Em 2005, apenas uma operação, em Manaus (AM), encontrou 600 quilos de cocaína.

A quantidade de droga confiscada é maior, já que nem todas as apreensões são divulgadas pela PF. O primeiro balanço do ano sobre o volume de drogas apreendidas no País deve ser divulgado apenas em julho.

Toda a droga apreendida em ações anunciadas pela PF no último trimestre estava localizada em 10 Estados. Além da maior apreensão - de 600 quilos em Manaus - também se destacaram ações na fronteira do País com o Paraguai (104 quilos de cocaína) e Mato Grosso do Sul (154,7 quilos de cocaína, em cinco operações). Em 2004 as maiores apreensões foram feitas em São Paulo (300 quilos) e Santa Catarina (65 quilos).

Ainda nos primeiros três meses do ano passado, o tráfico de maconha somou 13,6 toneladas da droga, envolvendo ações em oito Estados. Uma operação considerada “inédita” pela PF surpreendeu no Mato Grosso do Sul um caminhão de carga que levava 11 toneladas da droga. Poucos dias depois foram apreendidos no mesmo estado outras duas toneladas de maconha, em duas operações distintas.

O volume de maconha apreendido no primeiro trimestre deste ano ainda é bem inferior, 2,5 toneladas. O Mato Grosso do Sul continua no topo da lista de maiores ações: em março, a PF anunciou o flagrante de uma quadrilha com 1,1 tonelada da droga. Seguem no ranking Paraná (376 quilos apreendidos entre janeiro e março) e Pernambuco (218 quilos).

Disponível apenas para sócios da Abraji na seção Biblioteca, o banco de dados é atualizado pela monitora Carolina Hungria e oferecido em arquivos para os programas Access e Excel. Ele inclui dados sobre indivíduos presos ou acusados de envolvimento com o crime organizado, com informações distribuídas pela Polícia Federal e, em alguns casos, veículos brasileiros de comunicação. O arquivo tem hoje 1664 nomes.

Como a fonte das inclusões na base de dados é a PF ou o noticiário dos jornais, é importante lembrar que decisões judiciais posteriores podem alterar o status dos incluídos. A maioria ainda não recebeu condenação definitiva. Verifique antes de usar.

Vale lembrar que os registros do BD da Abraji não têm representatividade estatística (ao menos por enquanto) para se fazer inferências sobre o crime organizado e o tráfico no país.

Nosso objetivo é que os jornalistas que passem a usar o BD ajudem a Abraji a melhorá-lo, complementando as informações e incluindo novos registros. Caso você tenha utilizado o banco de dados para fazer alguma reportagem, envie-a para nós e o caso será divulgado em nosso website.

Dúvidas e sugestões podem ser encaminhadas para Carol Hungria ([email protected]), para o diretor de CAR da Abraji, José Roberto de Toledo ([email protected]), ou para o gerente executivo da associação, Marcelo Soares ([email protected]).

PARA DOWNLOAD: versão Excel e versão Access
Assinatura Abraji