• 04.03
  • 2005
  • 12:35
  • MarceloSoares

CONGRESSO DA ABRAJI TEVE 300 PARTICIPANTES

Pouco mais de 300 jornalistas, entre profissionais, estudantes e palestrantes, estiveram no 1º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, que ocorreu na PUC-Rio nos dias 28 e 29 de outubro. Vindos de 14 Estados e do Distrito Federal, eles participaram de mais de 30 painéis e oficinas sobre técnicas de reportagem e coberturas especiais.

A abertura, na Associação Brasileira de Imprensa, teve como homenageado o jornalista José Hamilton Ribeiro, que completou neste ano seus 50 anos de carreira. Ribeiro contou diversos "causos" de sua carreira, desde que investigava corrupção no superfaturamento de alfinetes para caixões do serviço funerário municipal de São Paulo.

Bem humorado, ele mencionou as duas grandes lições que aprendeu em sua carreira: "Tudo o que eu aprendi foi que azeitona preta é tingida e que, nos banheiros de hotéis, a água quente em geral sai da torneira da esquerda. Todo o resto, só trabalhando muito pra saber." Ao final da conferência, Ribeiro se emocionou e foi aplaudido de pé.

"Há mais de 30 anos, o diretor do FBI Mark Felt deu ao repórter Bob Woodward um conselho que até hoje é a base do jornalismo investigativo: sigam o dinheiro. Eu lhes dou um conselho ainda mais precioso: sigam o Zé", disse o presidente da Abraji, Marcelo Beraba, ao apresentar o homenageado.

Devido à grande procura, alguns dos painéis tiveram participantes sentados no chão para conhecer aspectos da investigação jornalística. As mais procuradas foram a de introdução à Reportagem com o Auxílio do Computador, a de fundamentos da reportagem investigativa, a de trabalho freelance, a de telejornalismo investigativo e a de cobertura de conflitos armados. A oficina de pesquisa avançada na internet, com apenas 25 vagas devido ao tamanho da sala, só pôde atender à procura permitindo a participação de dois jornalistas por computador.

Quase todos os participantes tiveram oportunidade de conhecer pelo menos um pouco sobre as mais modernas técnicas de reportagem recentemente adotadas no Brasil. Um painel introdutório e três oficinas práticas de Reportagem com o Auxílio do Computador se repetiram nos dias 28 e 29. O uso dos recursos da informática para alavancar o trabalho de apuração está presente em dezenas de prêmios Pulitzer concedidos desde 1989 nos EUA. Saiba mais sobre as técnicas de RAC.

Os painéis sobre cobertura de corrupção e crise política, no sábado, 29, tiveram a presença de profissionais que já apuraram denúncias e acompanharam crises políticas em todos os governos das últimas duas décadas. No painel sobre Direito de Acesso a Informações Públicas, uma novidade: os integrantes da ONG Contas Abertas apresentaram seu website, um banco de dados que abre para o público os dados do Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal), permitindo a qualquer cidadão conhecer em detalhes como o governo gasta o dinheiro público.

Convidados especiais do congresso, os jornalistas Brant Houston (diretor da Investigative Reporters and Editors) e Charles Lewis (líder do International Consortium for Investigative Journalism) participaram de diversas atividades. Lewis deu uma palestra sobre o futuro do jornalismo investigativo e, com Houston e o diretor da Abraji Fernando Rodrigues, falou sobre o estado do jornalismo investigativo nos Estados Unidos e na Europa. Sozinho, Houston ministrou em duas ocasiões uma oficina sobre RAC avançado.

No lançamento do livro "Dez Reportagens que Abalaram a Ditadura", no final da tarde de sábado, o jornalista Fernando Molica -- diretor da Abraji e organizador do livro -- reuniu os veteranos Fritz Utzeri, Antero Luiz Martins da Cunha e José Carlos de Assis para darem autógrafos. Antes disso, eles falaram sobre como era apurar reportagens polêmicas durante o período da ditadura. O livro traz o texto das reportagens e também um relato de seus bastidores, escrito pelos próprios repórteres que as apuraram. A obra deve chegar nos próximos dias às livrarias do Brasil inteiro. Fique de olho no website da Abraji para saber sobre as datas de lançamento.

Todos os participantes do congresso se tornaram sócios da Abraji e passam a ter direito a acessar todos os conteúdos exclusivos e ter descontos nas atividades restritas a sócios.

ACESSE: O hotsite do congresso
Assinatura Abraji