Assédio direcionado e ameaças em redes sociais afetam mais três repórteres
  • 28.09
  • 2018
  • 22:56
  • Abraji

Liberdade de expressão

Assédio direcionado e ameaças em redes sociais afetam mais três repórteres

Desde 28.set.2018, após a publicação da reportagem “O outro Bolsonaro” na revista Veja, os três jornalistas que a assinam são alvo de assédio direcionado e ameaças de violência física nas redes sociais. Os ataques, feitos por apoiadores do candidato à presidência pelo PSL, são o segundo caso de violência do tipo registrados em quatro dias.

Os perfis dos repórteres Nonato Viegas e Thiago Bronzatto foram inundados por xingamentos, comentários homofóbicos e ameaça de agressão. Hugo Marques foi alvo de exposição indevida e difamação.

Viegas se viu obrigado a tornar contas em redes sociais privadas. No perfil que continua público, recebeu ameaça de espancamento: “se eu te achar na rua vo (sic) quebrar você na porrada seu verme!!!”, escreveu um usuário identificado como Carlinhos. No Facebook, um Rafael Scofield também faz ameaças: "deixa eu te achar na rua que vc vai aprender a escrever matéria facinho"

 

Com estes dois casos, chega a 63 o número de ocorrências registradas pela Abraji de assédio em meios digitais contra jornalistas no contexto eleitoral. Somando-se às 57 vítimas de atentados físicos registradas, foram 120 violações contra profissionais da imprensa em 2018 relacionadas a campanhas.

A Abraji se solidariza com os repórteres e repudia as agressões. Ofensas, assédio e ameaças a jornalistas com o objetivo de silenciá-los são sintomas de desprezo pela democracia.

É urgente e necessário que os candidatos no pleito atual se manifestem publicamente contra tais ataques e os desencorajem. O silêncio diante da violência praticada por seus apoiadores configura conivência com ataques à liberdade de expressão.

Diretoria da Abraji, 28 de setembro de 2018.

Assinatura Abraji