• 14.07
  • 2005
  • 15:38
  • MarceloSoares

Amianto: banir ou não banir?

TATIANA VITTA - REPÓRTER DO FUTURO

Aqueles que lutavam pelo banimento do amianto, substância que provoca doenças pulmonares em trabalhadores que manipulam o produto nas indústrias, estão decepcionados com a demora na decisão do governo Lula em banir de vez o amianto no Brasil. Os ativistas viam no PT um forte aliado, mas devido a pressões das empresas que lucram com a indústria do amianto no Brasil a decisão foi adiada.

No Brasil, a pressão vem de duas gigantes multinacionais. A Brasilit, que após o banimento do amianto na França, onde fica sua sede, investiu R$ 100 milhões para mudar sua forma de produção utilizando outra matéria prima. Hoje, ela defende o banimento. Já a Eternit, que continua defendendo o uso da fibra, movimenta cerca de R$ 2 bilhões por ano, além de criar 5.000 empregos diretos e 200 mil indiretos.

Banido em 42 paises por causar danos irreparáveis nos pulmões de quem é exposto à sua poeira, a fibra mineral sedosa é largamente utilizada na industria, principalmente na fabricação de caixas d’água, telhas, guarnições de freios, revestimentos de piso, isolantes térmicos, tintas e produtos de vedação. Como tem muitas vantagens em termos de possibilidade de aplicação, qualidade do material e preço, é difícil substituir o amianto nas fabricas que o utilizam.

Em 1995, alguns ex-funcionários da Eternit fundaram em Osasco a Associação Brasileira dos Expostos aa Amianto (ABREA). A ABREA tem como principal objetivo esclarecer a sociedade sobre os problemas causados pelo amianto. A associação também cadastra e encaminha as pessoas expostas ao amianto para exames médicos.

A poeira gerada pelo manuseio do amianto libera partículas da fibra, que quando aspiradas se alojam nos pulmões. Isso dificulta a troca de ar durante a respiração. Sintomas como falta de ar, grande perda de peso, cansaço, dores nas pernas e nas costas podem ser indícios das doenças do amianto.

Depois de uma exposição prolongada à fibra, pode se desenvolver desde uma asma ou bronquite, até a asbestose, doença pulmonar, tuberculose, cânceres do pulmão e gastrointestinal, pleura, e mesotelioma, um tumor raro que leva em média 30 anos para ser diagnosticado. Muitos morrem sem saber que a doença que tiveram tem relação com o ambiente de trabalho.


No caso dos trabalhadores expostos ao amianto, há um agravante para a defesa dos direitos do trabalhador: os casos demoram de 15 a 30 anos para serem diagnosticados. Isso dificulta que os trabalhadores recebam todos os benefícios que deveriam. Segundo Fernanda Giannasi, fiscal do Ministério do Trabalho, na maioria das vezes os trabalhadores já estão aposentados quando apresentam os primeiros sinais de doença. Alguns fazem acordos com as empresas, que levam os afetados a médicos particulares contratados por elas e acabam pagando indenizações irrisórias.

Por estes motivos, não há uma estatística que comprove quantos casos de contaminação do amianto existem no Brasil. “A Eternit afirma que foram registrados 2.500 casos e cerca de 1.500 já foram indenizados, mas isso é só a ponta do iceberg, por causa do tempo que demora para diagnosticar a doença e de acordos feitos dentro da própria empresa, não temos como saber qual é o numero exato de pessoas doentes” diz Fernanda.

Atualmente a maior luta da ABREA é contra a multinacional Eternit. A empresa, conhecida pela fabricação de caixas d’água e telhas de amianto, tem fabricas espalhadas por todo o Brasil, além da SAMA Mineração, que possui uma mina de amianto em Minaçu, Goiás. A SAMA além de ser a maior fonte de lucros da empresa é a maior contribuinte de ICMS no estado de Goiás com 3% da arrecadação do estado somando 30 milhões de reais por ano. Em sua defesa, a Eternit alega que o tipo de amianto extraído da mina em Goiás não é nocivo a saúde dos trabalhadores.

Em entrevista a Rádio Jovem Pan AM em 2 de fevereiro deste ano o presidente da Eternit, Élio A. Martins, explicou que o amianto usado na Eternit é o Amianto Crisotila, que tem alta concentração de magnésio, é uma fibra menos rígida e fica cerca de 2.4 dias no organismo, enquanto o Amianto Anfibólio, o tipo mais usado na indústria, tem uma bio-resistência dentro dos pulmões de 100 a 400 dias.

Segundo a fiscal do ministério do trabalho, que também é ativista da ABREA, ainda não se sabe ao certo qual é o tempo necessário de exposição e de permanência do amianto no organismo para que ele cause a doença. “Há 30 anos não sabíamos que este tipo de amianto (amianto Anfibólio) causava doenças pulmonares, não podemos esperar 30 anos para saber se o amianto Crisotila não trará os mesmos problemas. As empresas que ainda usam a fibra, atribuem as doenças ao amianto Anfibólio, mas este tipo de amianto corresponde a 5% de todo o amianto existente no mundo”.

As doenças do amianto dificilmente afetam os consumidores. “O que pode acontecer no caso de um telhado de amianto em uma academia, por exemplo, é um desgaste natural que pode causar uma poeira, mas é muito pouco provável que quem freqüente a academia desenvolva algum tipo de doença” diz José Carlos do Carmo da CEREST, Centros de Referência em Saúde do Trabalhador. No caso dos problemas de saúde apresentados por pessoas comuns na França, José Carlos afirma que foi causada pelo manuseio das placas de amianto que serviam como isolamento térmico e que após o banimento foram removidas “O amianto só faz mal durante seu manuseio, onde é produzida a poeira”.

Enquanto o governo brasileiro não decreta o fim do amianto no país, resta as ONGs e associações como a ABREA continuar lutando para que providências sejam tomadas e para que a população e principalmente aqueles que trabalham com o amianto tomem consciência dos efeitos desta fibra no organismo.
Assinatura Abraji