Abraji lança documentário sobre assassinatos de jornalistas
  • 26.10
  • 2017
  • 17:40
  • Abraji

Liberdade de expressão

Abraji lança documentário sobre assassinatos de jornalistas

A Abraji exibe neste sábado (28.out.2017) o documentário “Quem Matou? Quem Mandou Matar?” no Caixa Belas Artes, em São Paulo. O filme é resultado do trabalho de investigação de Bob Fernandes e Bruno Miranda, com edição de João Wainer, do assassinato de 6 jornalistas em 4 estados brasileiros.

O documentário é inédito e faz parte do Programa Tim Lopes, realizado pela Abraji, que publica ao longo desta semana quatro reportagens, em texto e vídeo, sobre os crimes que tiraram a vida de Gleydson Carvalho, Djalma Santos, Rodrigo Neto, Walgney de Carvalho, Paulo Rocaro e Luiz Henrique ‘Tulu’. O material revela os bastidores e os riscos de se fazer jornalismo fora dos grandes centros.

O programa tem apoio da Open Society Foundations e procura apurar quem mata e quem manda matar comunicadores. Nos últimos anos, o Brasil esteve no topo das listas de países mais violentos para jornalistas, ao lado de Estados em guerra civil. “São crimes que atingem cidadãos, atingem a integridade física desses cidadãos, e também a liberdade de imprensa e, em consequência, a democracia”, aponta Ricardo Pedreira, diretor-executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ). “A impunidade é o que mais estimula a continuidade desses crimes.”

Cobrir violações contra jornalistas com especial atenção não é uma prática cabotina ou corporativista. O jornalista e professor da ECA-USP, Eugênio Bucci, lembra que “dada a situação de violências generalizadas contra jornalistas, especialmente no nosso país, violências que incluem intimidações diversas e agressões físicas, além de assassinatos, devemos tomar como um dos deveres prioritários dos jornalistas e das redações profissionais noticiar, com destaque, todos os crimes cometidos contra profissionais da imprensa”. 

Para Bucci, “as agressões contra jornalistas são agressões diretas contra o direito à informação de que todo cidadão é titular, e uma sociedade que tolera esse tipo de agressão é uma sociedade que não valoriza a liberdade de expressão, o direito à informação e o dever, que cabe aos jornalistas, de fiscalizar o poder a partir de um posto de observação independente e crítico”.

Esta é a primeira vez desde sua fundação, em 2002, que a Abraji produz conteúdo jornalístico inédito e fruto de investigação. “Quebramos, excepcionalmente, este paradigma, para tratar de um dos temas mais caros ao exercício da profissão. É algo que embrulha o estômago, porque impossível não se imaginar no lugar do corpo frio da vez”, declara Thiago Herdy, presidente da associação. A diretora-executiva da Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER), Maria Célia Furtado, destaca que “os comunicadores são os defensores da cidadania e dos princípios democráticos de direito”. 

As reportagens lançam luz sobre casos passados e podem ajudar a acelerar as investigações oficiais. Num segundo momento, o Programa Tim Lopes enviará uma equipe de repórteres de diferentes redações para cobrir casos de assassinatos de jornalistas assim que eles acontecerem. Além de buscar responder quem matou e quem mandou matar, os profissionais darão prosseguimento, na medida do possível, ao trabalho jornalístico interrompido.

Serviço

Lançamento do documentário "Quem Matou? Quem Mandou Matar?

Caixa Belas Artes

Rua da Consolação, 2423, Consolação – São Paulo, SP

28 de outubro, às 16h30

Conheça aqui o Programa Tim Lopes

Assinatura Abraji