Grupo cria campanha para ajudar jornalista a pagar indenização a desembargador
  • 27.09
  • 2018
  • 15:31
  • Rafael Oliveira

Liberdade de expressão

Grupo cria campanha para ajudar jornalista a pagar indenização a desembargador

O Coletivo Carolina Maria de Jesus de Pesquisa em Jornalismo e Cultura está organizando uma campanha de arrecadação financeira para auxiliar o jornalista sergipano Cristian Góes. Ele foi condenado a pagar mais de R$ 50 mil de indenização para o desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe (TJ-SE) Edson Ulisses, por conta da publicação do texto ficcional “Eu, o coronel em mim”. 

Além da indenização, Góes foi condenado a sete meses e meio de prisão, convertidos em serviços sociais, que já foram prestados. Somado aos honorários advocatícios, o montante totaliza R$ 66 mil, valor que a campanha feita no site Kickante pretende arrecadar. O prazo para doar vai até 9.nov.2018. 

“Em 2013 já tinha ocorrido a campanha ‘Somos Todos Cristian Góes’ e agora, com a saída da sentença [da indenização], nós do Coletivo entendemos que se faz necessário uma resposta em solidariedade”, afirma Henrique Maynart, jornalista e membro do grupo.

O caso
O texto “Eu, o coronel em mim” foi publicado em 29.mai.2012, no site Infonet. Em um trecho da crônica ficcional, escrita em primeira pessoa, o jornalista menciona um “jagunço das leis”. O desembargador Edson Ulisses interpretou que o texto fazia referência a ele, e junto ao Ministério Público Estadual de Sergipe (MPE), moveu dois processos contra o jornalista, um criminal e outro cível.

Segundo o jornalista, processos contra comunicadores são comuns na região, onde a prática de jornalismo investigativo tem como custo uma “perseguição implacável”. “Antes desses dois processos movidos pelo desembargador, eu já havia respondido a outros, de governador, de grandes empresários, etc, mas todos em razão de minhas reportagens, das investigações jornalísticas. Ganhei todos. Jamais fui condenado. Apresentava as provas e pronto”, afirma.

Na época em que a crônica foi publicada, Góes realizava mestrado em Comunicação na Universidade Federal de Sergipe (UFS) e já não atuava como jornalista profissionalmente. Atualmente, trabalha como funcionário público federal em Aracaju e é professor de jornalismo. “Quando deixei a profissão – estava cada vez mais perigoso – fazia colunas semanais na internet, em um blog, tratava de assuntos gerais, e às vezes, fazia umas crônicas literárias, usava a ficção”, conta.

A crônica não cita nomes, lugares e nem fatos concretos, mas o desembargador do TJ-SE considerou que era uma crítica ao seu cunhado e então governador de Sergipe, Marcelo Déda, e a ele. Segundo Góes, foi a primeira vez que um membro do Judiciário o processou, e desde o começo ele sabia que a condenação seria inevitável. “As duas sentenças me afetaram profundamente, primeiro por ser um texto ficcional, longe de reportagem, e não porque me envolve como pessoa, mas têm profundos reflexos em meus filhos, minha esposa, meus pais e familiares, meus amigos”, afirma.

Góes pretende contar a história dos processos em que foi condenado em um livro. “Eu entendo que essas condenações absurdas – as sentenças são vexatórias – vão além de minha pessoa. Entendo que é uma profundo e direto ataque de uma parte do Judiciário à liberdade de expressão. O mais importante é que jamais calei e calarei”, diz.

Assinatura Abraji